Saiba como incentivar a economia local

Micro e pequenos negócios são responsáveis por grande parte das oportunidades de emprego formal

Com o intuito de manter o maior número de pessoas em segurança, o isolamento social fez com que se iniciasse uma quarentena, devido ao novo coronavírus. Com isso, comércios de diversos segmentos não essenciais tiveram que fechar as portas por tempo indeterminado.

Mas enquanto boa parte das pessoas estão em casa, os microempreendedores seguem sem a renda esperada pelos seus serviços. Com isso, a maioria deles, como pequenos mercados e restaurantes, passou a investir na Internet para continuar atuando.

Apesar da disponibilidade, é comum que o público busque por grandes redes ao cogitar serviços de delivery, em vez da pizzaria do bairro ou do mercadinho próximo. Por conta disso, o comércio local acaba enfraquecendo, dificultando ainda mais a recuperação do microempreendedor.

A importância de fortalecer o micro e pequeno negócio local

Poucos consumidores se lembram dos pequenos comércios nos bairros durante momentos como o atual, em que o mundo encara uma pandemia. Os negócios locais são os principais incumbidos pelo fornecimento de itens básicos, como alimentos, remédios, produtos de higiene e limpeza, e afins para a região, de maneira facilitada.

Além disso, os micro e pequenos negócios dos bairros estimulam uma concorrência saudável e, consequentemente, aumentam a oferta para os moradores da região. A longo prazo, os microempreendedores também são responsáveis por atrair investidores para a área, uma vez que eles ainda são motivadores da arrecadação de altas cargas de imposto.

Outro ponto importante a ser considerado é que os comércios locais são causadores da geração de emprego na comunidade em que atuam. Eles, ainda, operam junto aos demais comerciantes do bairro, proporcionando um desenvolvimento da região em questão.

De acordo com o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), os negócios de micro e pequeno porte somam 99% do número total do país e representam 27% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil. Além disso, são responsáveis por 54% dos empregos formais e 44% da massa salarial.

Como ajudar o pequeno comércio

Como visto acima, o comércio local oferece mais benefícios que o imaginado pela maioria das pessoas. Então, neste momento tão delicado, é necessário apoiar os microempreendedores e ajudá-los a manter o seu negócio ativo.

Quando um comércio local encerra suas atividades, isso afeta, ainda, os demais. Isso acontece porque os negócios de bairro funcionam como uma rede, na qual um micro ou pequeno empreendimento também consome produtos e serviços de demais micro e pequenos estabelecimentos da região. Com isso, consumindo as ofertas de um, é possível fazer com que outros também tenham sua economia estimulada.

Portanto, para contribuir com a economia local, o primeiro passo é optar por comprar itens indispensáveis dos pequenos comerciantes, como alimentos e produtos de higiene pessoal. Por conta da pandemia, diversos comércios se cadastraram em aplicativos de delivery, facilitando, assim, o acesso dos consumidores.

Caso eles não estejam presentes em plataformas, uma dica é entrar em contato com o comércio, para se informar sobre a possibilidade de realizar compras à distância. Por se tratar de uma região menor, há grandes chances da ação ser viável.

Se possível, contribua na divulgação do mercadinho, padaria, lanchonete, pizzaria ou farmácia do seu bairro. Estimule seus amigos e vizinhos a consumirem produtos de redes menores, em vez de optar pelas mais famosas. Essa, inclusive, é uma das maneiras de utilizar a tecnologia para ajudar outras pessoas durante a quarentena.

É importante manter esse pensamento e ações além do período de isolamento. Isso não quer dizer que você deva deixar de consumir de grandes redes, mas que considere, também, as opções disponíveis em sua região.

This entry was posted in Finanças. Bookmark the permalink. Both comments and trackbacks are currently closed.